Dicas de Como Cobrir Revestimento Cerâmico nos Interiores

Quem está procurando fazer uma reforma na decoração do interior de sua casas, mas quer evitar o quebra-quebra que em alguns casos é quase inevitável, pode apostar em uma boa e significativa mudança fazendo o uso dos recursos de cobertura de revestimento cerâmico. Há uma diversidade de maneiras para cobrir revestimento cerâmico nas paredes. A escolha do melhor método depende de cada situação e também do resultado pretendido.

 

A forma mais indicada pelos profissionais da área para a cobertura de revestimento cerâmico de paredes é a pintura. Limpo, prático e de custo muito baixo. Isto porque é possível aplicar somente a pintura, deixando aparente o relevo formado pelo rejunte, ou então aplicar primeiro uma fina camada de massa corrida e depois a tinta, para que os rejuntes sumam completamente.

 

Já quando os rejuntes continuam aparentes, o aspecto final é mais rústico e improvisado do que a parede lisa, mas isso pode ser desejável caso se queira remover os desenhos ou a cor do azulejo, no entanto, ainda se mantém um visual um pouco diferenciado, e menos corriqueiro que em outras situações.

 

Outro método que pode ser utilizado é o de cobertura do revestimento com massa. Neste caso, podem ser utilizadas certas texturas comuns ou então uma massa cimentícia. O processo é muito parecido com a pintura, porém com a diferença de agregar informação visual às paredes, como os veios das texturas ou o aspecto rústico das massas de cimento.

 

No entanto, como em todos os processos de arquitetura, há algumas desvantagens tanto na pintura, quanto na colocação de massa sobre os revestimentos em paredes. Um deles é a impossibilidade de cobrir os azulejos de dentro do box ou de outras regiões que tenham muito contato com a água. Uma opção, nessa situação, é deixar o revestimento aparente apenas no box, ou então, cobrir a cerâmica com um tipo de porcelanato. Este, porém, não pode ser executado por um profissional que não seja qualificado, muito menos é o método mais econômico entre eles.

 

Outra alternativa que tem sido uma boa aposta é cobrir a cerâmica com gesso. Nesse caso, é necessário usar placas de gesso acartonado parafusadas sobre a cerâmica. É uma opção para cobrir os azulejos de maneira rápida, e que permite o uso posterior de qualquer tipo de revestimento, mas que tem o inconveniente de agregar muita espessura às paredes. Não é recomendado para locais que tenham umidade.




Dicas de Como Deixar um Quarto Moderno e Aconchegante

Um dos grandes desejos de quem está desenvolvendo projeto de decoração do interior de sua casa é transformar o ambiente em um local que reflita modernidade e também confira a sensação de aconchego. Isto em particular em alguns ambientes, como os quartos. Não é difícil, porém, conseguir esta mistura de elementos, desde que algumas dicas sejam seguidas à risca.

 

Para obter um quarto que ao mesmo tempo seja moderno e aconchegante,  basta que sejam feitas algumas associações formas e materiais de maneira complementar e equilibrada. Basta fazer isso com um planejamento adequado. Um dos truques é alinhar formas e linhas bem simples ao conjunto arquitetônico e decorativo do quarto, sem que haja muitos recortes e detalhes nele. Isso se aplica a todos os elementos, desde os móveis, os recortes no forro, os acessórios, as portas e as janelas. Quanto menos informação e mais clareza visual melhor, caso a intenção seja criar um efeito limpo ao conjunto.

 

Para evitar, por exemplo, que algum elemento se perca durante a execução do planejamento e / ou projeto, é importante se evite,ainda, o excesso de frieza das formas, é possível, portanto,  brincar com as texturas e com a iluminação para criar uma sensação mais acolhedora.

 

Nesse sentido, é possível ainda apostar em alguns materiais mais rústicos, como a madeira cheia de veios, as pedras e os tecidos bem texturizados, que fazem um contraponto com a simplicidade das formas sem brigar com elas. Isto acontece porque o uso destes materiais não interfere na forma e no desenho do espaço em geral, somente incrementam seu o contexto. Esses materiais ainda tendem a deixar o visual mais robusto, além de melhorarem o desempenho térmico e acústico do ambiente, portanto, colaboram diretamente na aquisição do conforto do ambiente.

 

Ainda é imprescindível que um cuidado especial seja dado à iluminação do quarto, que precisa espelhar a sensação de conforto. Ao deixar a lâmpada visível, é possível a criação de uma ambientação mais aconchegante, já que o foco de luz não incomoda nem agride a visão. Para funcionar bem, é preciso apenas que os focos de luz não se misturem demais, perdendo seu efeito e gerando excesso de informações.

 

Também vale investir em cores bem neutras, não somente na pintura das paredes, mas também na composição dos móveis e todos os objetos decorativos do quarto. Faça o mesmo ao selecionar as roupas de cama que serão usadas diariamente.

Dicas de Como Escolher os Tapetes Para a Decoração de Ambientes Internos

Escolher os tapetes que irão ajudar a compor a decoração dos ambientes internos não é atarefa tão simples como parece aos olhares mais leigos. E, de acordo com as dicas de especialistas no assunto, também não vale apenas sair dando voltas e mais voltas em lojas de tapetes, para ter a certeza de que a escolha foi a mais correta possível. Escolher um bom tapete para compor a decoração do ambiente interior conta com algumas variáveis e, se elas não forem respeitadas, é bem provável que a escolha por um modelo ou outro, possa causar sérios arrependimentos posteriores.

 

O tamanho do tapete, formato e o local onde ele será colocado, devem ser os principais pontos a serem observados e levados em conta no momento de se fazer a escolha por um modelo. O objetivo é escolher um tapete com dimensões e formato que se encaixe bem com as outras peças do ambiente, delimitando uma área de maneira bem definida. Vale lembrar que o tapete não deve ficar nem pequeno demais, nem grande demais, a exatidão é essencial.

 

Os tapetes redondos tendem a criar um visual mais descolado; já os quadrados e retangulares são mais sóbrios e tradicionais. No entanto, o fundamental é que a forma do tapete se encaixe com a forma do local onde ele será colocado. Não é viável, por exemplo, que tapetes redondos fiquem encostados na parede, uma vez que a sua aparência leve e fluida fica totalmente comprometida com o contexto.

 

Vale ainda ressaltar, sempre, que o tamanho adequado do tapete ao local e / ou área para onde ele está destinado, deve ser exata. Tapetes muito grandes podem fazer o espaço parecer pequeno, e tapetes muito pequenos ficam desvalorizados e criando sensação de bagunça. Para que o tapete fique bem integrado e crie sensação de organização, ele deve englobar algumas peças importantes, como um sofá e a mesa de centro, por exemplo, ficando preso em pelo menos uma das extremidades, ou então bem alinhado com os móveis.

 

Outro aspecto que deve ser avaliado é quanto à aparência do tapete. Cores, desenhos, estampas devem corroborar com o ambiente onde ele será instalado, além de serem fundamentais para o resultado final. Cada situação deve ser analisada com cuidado, no entanto, de modo geral, a dica é não apostar em muitas estampas, em particular, nos ambientes que já tiverem outros tecidos, além de outros  elementos com muita informação visual.

Dicas de Como Misturar Estilos em Uma Mesma Decoração

Em qualquer projeto de decoração de ambientes, em especial nos dias de hoje, é muito comum que as pessoas tenham o desejo de misturar uma série de estilos diferentes. Para os mais leigos no tema decoração de ambientes, pode parecer que a tarefa seja um tanto quanto difícil senão descabida. No entanto, a mistura de estilos é mais comum e fácil de fazer do que se pensa. E, não é apenas isto. As misturas podem enriquecer ainda mais a personalidade dos ambientes, visto que há um toque de novidade, equilibrando muitas vezes, o novo e o antigo.

 

Para quem não sabe, a mistura de estilos em uma mesma decoração pode garantir o que em muitos projetos que primam apenas por um estilo, o equilíbrio entre os elementos. Isto acontece porque a mistura é quem irá gerar um equilíbrio entre os elementos, e o resultado costuma agradar mais facilmente do que seguir uma única linha arquitetônica, que fica normalmente mais impactante e por isso nem sempre condiz com a complexidade dos diversos gostos únicos.

 

De maneira bem criteriosa, não existe uma regra para fazer o balanceamento entre os diversos estilos de decoração. O que vale é de fato, a primazia pelo equilíbrio, valendo-se, basicamente, do bom senso. Desse modo, é possível mesclar de acordo com a personalidade e subjetividade de cada um. No entanto, é importante tomar alguns cuidados ao fazer certas misturas para que o conjunto da obra fique realmente harmônico e, cada peça seja mais valorizada de acordo com o que ela propõe.

 

Se embora não exista uma regra para combinar os estilos, há uma hierarquia que deve ser seguida. Para organizar melhor os espaços, sem que a mistura de estilos gere sensação de bagunça, é interessante optar por um ou outro estilo mais marcante no ambiente e que este seja base para os demais, assim, os outros se tornam secundários. Isso pode ser feito por meio da quantidade de peças e elementos utilizados no ambiente, bem como pelo tamanho de cada um desses elementos. Vale lembrar que os maiores e mais imponentes, como grandes paredes, painéis ou móveis de grande porte, ficam mais chamativos e por isso tendem a dominar a ambientação e caracterizá-la de uma maneira bem mais presente que outras.

 

Para que dê certo, faça uso de objetos antigos, com diversos detalhes, os quais ficam bem marcados se posicionados próximos de um painel liso, que é visualmente mais neutro. Já o efeito rústico de alguns materiais fica mais destacado, se estiver em contato elementos mais modernos.

Dicas de Como Reduzir Gastos na Decoração de Interiores

Projeto finalizado, casa ou apartamento prontos. Agora é seguir para a etapa final e, de acordo com alguns, uma das mais caras também. Na hora de fazer a decoração de interiores, o orçamento já está bem apertado por conta de tantos gastos que foram realizados com a obra. No entanto, não dá para deixar de organizar a casa para garantir conforto e aconchego para os seus moradores. A melhor maneira então de seguir com o projeto de decoração é apostar na diminuição de gastos. Conheça algumas dicas de como reduzir gastos na decoração de interiores.

 

Muito se fala em cortar gastos no momento de fazer a decoração de interiores, uma vez que já foram gastos alguns valores bem significativos. Reduzir gastos na decoração dos ambientes não significa usar só o que é mais barato, sem que a qualidade do produto e / ou material não seja levada em conta.

 

Deixar, então, deixar a sala sem sofá, por exemplo, não será uma economia, necessariamente. Trata-se, de fato, de uma questão de otimizar a relação custo-benefício, ou seja, pensar na forma mais simples e objetiva de resolver os espaços, mesmo que para isso seja necessário criar soluções um tanto fora dos padrões convencionais. Aqui valem as observações criativas, que solucionam problemas e otimizam o dinheiro gasto com a decoração.

 

Um exemplo em clássico disso é a questão dos armários. É sabido por todos que armários consomem os orçamentos nos projetos de decoração de interiores. Eles são caros porque no processo de execução deles há mão de obra envolvida, que custa quase 75% do total de um orçamento. Para diminuir os custos com os armários, trabalhar com a possibilidade de materiais alternativos, ou até mesmo, com a prática do “faça você mesmo”, para aqueles que possuem conhecimentos de marcenaria, é o melhor a ser feito. Não fique, portanto, sem os armários, que são fundamentais para a organização de todos os objetos de uma casa.

 

Aposte em fazer a pintura das paredes sem a contratação de mão de obra especializada. Certamente, com o dinheiro economizado, será possível investir em um piso laminado de melhor qualidade e durabilidade, bem como na compra de mais peças do mobiliário.

 

Também aposte na compra de móveis que sejam multifuncionais. Esta é uma tendência que está em alta, e veio para ficar. Em especial para ambientes pequenos, trata-se da melhor aposta para o momento.

Dicas de Iluminação dos Ambientes

A iluminação adequada faz parte da composição do ambiente. Ela significa conforto e eficiência. Ao contrário, quando acontece uma iluminação ineficiente, por ter sido mal planejada, ela é capaz de desvalorizar e prejudicar completamente o bom funcionamento dos espaços.

 

Vale lembrar que cada ambiente da casa deve ter o seu projeto de iluminação definido separadamente. Não é possível fazer o mesmo tipo de iluminação em todos os ambientes, este costuma ser um erro muito comum entre as pessoas, em particular àquelas que não recorrem aos serviços de profissionais especializados. O que acontece, de forma geral, é que há uma grande desvalorização do espaço, que não apresenta conforto e muito manos agradabilidade.

 

No banheiro, por exemplo, o espaço costuma ser reduzido, porém as necessidades também são variadas. É interessante ter uma luz geral e outra mais focada próxima ao espelho, para fazer a barba ou retocar a maquiagem, por exemplo, e se possível ter mais um ponto que ilumine bem a região do chuveiro. Caso não exista um ponto específico para essa função, é possível improvisar com uma luminária do tipo spot, que direcione uma lâmpada para o meio do banheiro e a outra para o box. As luzes do banheiro devem ser preferencialmente brancas, caso se queira maior eficiência e visibilidade.

 

Já quem possui um home office em casa, precisa ter também um olhar bem cuidadoso no momento de realizar  projeto de iluminação do ambiente. No home office, a prioridade é privilegiar o trabalho, com uma boa iluminação próxima à região da mesa, mas sem ofuscar a tela do computador, se houver, nem a vista de quem está trabalhando. E isso se aplica à luminosidade artificial, vinda das luminárias, e também à luz natural, que vem das janelas. Podem ser usadas luminárias no teto ou então luminárias de mesa, que possam ser acionadas separadamente. E a iluminação geral, principalmente se o ambiente for pequeno, pode dar conta do recado sozinha.

 

No entanto, nada impede que a criação de uma ambientação mais nobre, que deixe o espaço mais convidativo, estimulando a permanência no local. O ideal é misturar uma iluminação mais eficiente, de luzes brancas e fortes, com pontos de luz mais suaves e amarelados, criando certo equilíbrio. O trabalho passará  ainda a ser mais estimulado.

 

Na iluminação do quarto, o principal objetivo é a busca pelo conforto. Para uma ambientação mais intimista e aconchegante, o quarto não precisa necessariamente de uma iluminação geral, mas sim de alguns pontos específicos, em especial, próximo à cabeceira da cama.

Como Misturar Cores de Forma Equilibrada?

O que parece fácil no conjunto da decoração, nem sempre o é de verdade. Misturar cores nos ambientes e ainda agregar outros elementos pode ser uma das tarefas mais complicadinhas dentre da arte de decoração de interiores. Isto porque cada cor agrega uma nova informação ao ambiente, e para que o resultado final seja agradável, é necessário que exista um sentido na junção dessas tonalidades, não só em relação a qual cor combina com qual, mas também na maneira como elas são dispostas e se relacionam entre si. Então, o trabalho de harmonizar as cores pode ser muito assertivo ou dar tudo errado. É importante, portanto, ficar muito atento na hora de realizar este processo.

 

Não se deve, por exemplo, criar uma sensação de caos no ambiente. Embora algumas pessoas não gostem de ter tudo muito arrumado, alinhado ou impecavelmente organizado, a falta de sentido total desvaloriza todos os elementos, já que a atenção do olhar torna-se completamente perdida e cada cor acaba perdendo seu sentido inicial. No entanto, é possível fazer a junção de cores variadas de maneira livre, desde que mantenham um planejamento oculto, gerando um conjunto harmônico.

 

Para que isto seja conquistado, o uso da hierarquia das cores deve prevalecer em qualquer desenvolvimento de projeto decorativo. Por isso, se o projeto privilegia várias combinações de cores, elas precisam ser mais secas para harmonizarem entre si.

 

O ideal, portanto, é criar uma cor base para todos os  ambientes, e a partir dela, ir alinhando outras que combinem com a principal tonalidade. O processo pode ser realizado por meio do uso dessas tonalidades em muitas peças, que se espalhem por todo o espaço, como o mobiliário fixo, por exemplo, ou então pelo destaque dessas cores em superfícies muito grandes, como no piso e em quase todas as paredes. O importante é que a base seja bem marcada, para ajudar a organizar visualmente o local.

 

Aposte, por fim, na mistura de cores similares, mas em escalas de tons diferentes, por exemplo, aquelas que criam o chamado tom sobre tom, as quais geram uma certa sensação de movimento. No entanto, isto deve ser feito de maneira bem definida para que realce no final, apenas uma cor específica. Essa cor pode ser neutra ou não, e se for, é uma maneira de ter um ambiente colorido e alegre sem abrir mão de certa seriedade.

Paredes Revestidas em Tijolo Aparente

Paredes acabadas com tijolo aparente apresentam de maneira geral certa rusticidade aos ambientes. São de fato, muito bonitos se bem colocados. Além disso, há inúmeras vantagens em usar este tipo de acabamento, no entanto, vale lembrar que não é possível sair modificando a parede que recebe este tipo de acabamento com certa frequência. Os acabamentos em tijolo aparente ainda podem ser úteis também para criar uma decoração mais despojada, mesmo sendo um material que desperte a rusticidade.

 

Há diversas maneiras de realizar o acabamento em paredes com tijolinhos, os quais também são conhecidos como “tijolinhos a vista”. Os tijolos podem ficar na cor natural ou então serem pintados de branco, para ficarem mais suaves embora ainda levemente diferenciados. Ou até mesmo podem receber uma camada de outra cor de tinta, caso sejam mais antigos e precisem de alguma manutenção. O ideal é que sempre sejam lixados e resinados com produto apropriado.

 

Uma das maneiras mais tradicionais de fazer o uso do acabamento com tijolo aparente, é erguer a parede com tijolos que possam ficar aparentes, como no sistema de tijolos ecológicos (de demolição) ou então com tijolos mais rústicos. É o modo mais prático porque dispensa a necessidade de revestir as paredes, bastando deixar os tijolos aparentes, e revestir com pintura somente onde por acaso não se queira deixá-los à mostra. Isso reduz gastos e  mão-de-obra, além de deixar as paredes mais finas, ocupando menos espaço. Vale lembrar que para o assentamento de tijolos aparentes é importante a contratação de mão de obra especializada. Também é preciso lembrar que obras feitas com este material tendem a ser mais lentas.

 

Outra forma de trabalhar com o tijolo aparente é revestir uma parede que já está pronta com ele. Nesse caso, a parede não é revestida com um tijolo inteiro, e sim apenas a metade dele, já que não há a necessidade de erguer uma divisão. O tijolo fica  com cerca de 5 cm de espessura. Essa solução é ideal para quem quer realismo, pois são tijolos de verdade, no entanto há o inconveniente de aumentar muito a espessura da parede, perdendo assim um pouco de espaço e dificultando a execução no encontro com móveis e caixilhos, pois fica muito saltado para frente.

 

Outra aposta que tem sido muito usada, e que pode ter um custo menor do que o tijolo aparente é fazer o uso de cerâmica que imita o tijolinho. Solução ideal também para paredes já prontas, já que as cerâmicas com aspecto de tijolo têm o efeito inverso do tijolo aparente, pois são mais finas, portanto mais fáceis de aplicar, mas um pouco menos realistas.

Dicas de Decoração de Interiores Para Quartos de Adolescentes

Para decorar o interior de um quarto de adolescente é importante entender, acima de tudo, que o habitante do ambiente não é mais criança, no entanto, ainda não é perfeitamente um adulto. É necessário, portanto, que a individualidade e a personalidade que está se formando sejam altamente respeitadas. Vale lembrar que um quarto de adolescente irá dizer muito à respeito dele, opções temáticas nesse caso, não são sempre as mais recomendáveis.

 

Um quarto de adolescente também é um refúgio para o seu dono. O espaço deve contar com elementos diversos que ressaltem o gosto e o estilo de vida do adolescente – objetos relacionados à música, por exemplo, podem ser um caminho, em particular para os adolescentes do gênero masculino. Eles vão querer um espaço que seja agradável para receber os amigos, ouvir música, ou simplesmente por a conversa em dia.

 

Outro aspecto bastante importante é o que concerne ao mobiliário do quarto de um adolescente. A decoração do quarto deve ser como um retrato de sua rotina. É importante que os móveis sejam práticos, modulares e funcionais. Também é preciso privilegiar um espaço reservado para estudar em seu quarto, assim garantindo mais tranquilidade para as atividades intelectuais. Aposte, portanto, em pufes, futons, prateleiras, nichos, bicamas, baús, almofadas e sofás, todos funcionam muito bem.

 

Outra opção bastante assertiva é investir em peças que também sejam multiuso no mobiliário. Camas que viram mesas ou bancos com espaço interno são boas alternativas para os jovens guardarem materiais e objetos. No entanto, lembre-se de valorizar a presença de áreas vazias, já que o excesso de itens decorativos pode comprometer a circulação e diminuir o tamanho do quarto, em especial daqueles que por natureza são reduzidos.

 

Vale investir em praticidade. Adolescentes veem dificuldade em tudo, portanto, aposte no uso de tecidos e revestimentos laváveis e de fácil manutenção – invista em móveis com fórmica, tinta lavável nas paredes, capas nos estofados e laminados ou vinílicos nos pisos. Além de práticos, também são bonitos e podem conferir cor ao ambiente.

 

A escolha das cores é outro aspecto a ser considerado ao decorar o quarto de um adolescente. A estética jovial precisa estar presente, no entanto é fundamental garantir tranquilidade no espaço. A saída é apostar sempre em bases neutras, com tonalidades de cinza, branco e preto. Para quartos de meninos é aposta que nunca dá errado. Para as meninas, o ideal são as cores alegres, mas nada de exageros, pois elas não aceitarão determinados enfeitinhos.

Decoração do Interior de Cozinha: O Que Deve Predominar?

Não é tarefa tão simples fazer a decoração do interior de uma cozinha, isto porque se trata de um ambiente de trabalho e de grande circulação. A cozinha é uma área da casa (e também de empresas) com a qual se deve ter a preocupação eminente com localização, tamanho, forma, ventilação,  funcionalidade, circulação, segurança, manutenção, elétrica, hidráulica, conforto para quem trabalha nela e, por isso a iluminação tem que ser muito maior do que em outras áreas da casa.

 

A cozinha, ainda quando está sendo planejada, deve respeitar alguns princípios, em especial o da localização. Ela precisa estar próximo à área social, em especial, à sala de jantar, e ter ainda um fácil acesso à área externa, para melhor locomoção de quem chega com as compras para serem organizadas e armazenadas. A cozinha pode ou não ser aberta para a sala, o que tem sido comum nos projetos mais contemporâneos, já que integrar os ambientes é uma maneira de aproveitar melhor os espaços. No entanto, é importante dar continuidade aos estilos. Também é importante que a cozinha dê acesso aos quartos, de modo que não seja necessária a circulação na área social.

 

Quanto ao tamanho e formas, a cozinha o ideal é que a cozinha seja ou quadrada ou retangular. Para mensurar o tamanho adequado dela, pense na quantidade de pessoas que irão,  diariamente, circular pelo espaço.

 

É importante ainda que a cozinha tenha uma ventilação apropriada. Pensar em um modelo de ventilação cruzada com janelas é a melhor opção. Quanto ao modelo de janelas, dê preferência às que possuam veneziana fixa ou não na parte superior. Também não se esqueça das portas, já que a cozinha precisa de excelente exaustão, ou seja, eliminação do acúmulo de umidade, gordura que é produzida nela.

 

Quanto à organização de uma cozinha, o mais indicado é que ela seja projetada em forma de triângulo – sendo que seus vértices devem ser a geladeira, fogão e pia, sendo nesta ordem e de forma que a soma das distâncias, em linha reta,  para ir de um ao outro não seja maior que 6 a 7 metros. Se for possível, a distância da pia à geladeira deve ser a menor. Evite colocar a geladeira em posição próxima ao fogão. Opte por prateleiras de altura regulável, bancos, mesas, e cadeiras dobráveis, em especial se o ambiente for pequeno.