Um Pouco da História do Designer de Móveis do Século XX

Diz-se que o tempo é um movimento não apenas linear, mas também cíclico. E esta concepção de tempo pode muito bem ser aplicada à questão da história do designer, uma vez que somo influenciados pelo passado, remodelando-o de acordo com as novas percepções de mundo e aproveitando todos os conceitos que foram tomados por assertividade no passado. Assim como tantas outras áreas, o designer é reflexo de um tempo, de um homem e de todas as suas percepções e reflexões sobre o mundo.

 

Quando se fala em designer é importante lembrar que os primeiros conceitos de designer remontam muito antes da Revolução Industrial, que promoveu grandes modificações no modo de vida das pessoas. Pode-se dizer, portanto, que os primeiros designers da história foram os grandes artesãos, isto desde o momento em que o homem passou a viver em comunidade e sentiu a necessidade de dar formas aos objetos, em especial àqueles que os auxiliavam nas tarefas do dia a dia.

 

No entanto, estes artesãos também perceberam que somente dar forma ao objeto, sem que se agregasse a ele certa beleza e identidade, faria com que o objeto fosse apenas um simples objeto e nada mais. Ao longo do tempo, portanto, os artesãos, que eram hábeis, passaram a se inspirar na própria natureza que os cercava, e foram criando formas novas, embelezando suas produções.

 

Ainda assim, o trabalho do artesão não era repleto de especializações. Alguns artistas acabavam se destacando no ofício de criação de determinadas peças, já que conheciam algumas técnicas que criavam efeitos mais variados.

 

A manufatura, que foi predominante ao longo da história – da Antiguidade à Era Moderna – acabou sendo substituída pela especialização, visto que no final do século XIX já havia um mercado consumidor altamente ávido por novidades e peças que pudessem não apenas auxiliar no dia a dia, como também embelezar os espaços habitados por eles. Foi, portanto, o surgimento dos processos industriais, bem como a divisão do trabalho que separou o design da fabricação. Entretanto, design era somente um dos aspectos da produção mecanizada. Somente o surgimento de reformadores do design como William Morris, que o design passou a ter dimensões teóricas e filosóficas, as quais são largamente aplicadas no dia a dia, além de serem consideradas como arte.

 

Somente então com a chegada da Art Noveau, unificada à teoria da  produção industrial que arte se tornou técnica e, passou a ser chamada de designer.

Como Contratar os Serviços de um Designer de Interiores?

Para quem vai precisar contratar os serviços de um designer de interiores, é importante ficar atento a alguns detalhes, como, por exemplo, o quê e como, de fato o profissional irá executar. Um designer de interiores, e maneira geral, atua da seguinte de maneira variada e de acordo com o serviço a ser realizado.

 

A primeira etapa é procurar por um profissional qualificado, e que de preferência, tenha sido altamente recomendado. Feita a escolha, é importante conversar muito sobre o uso do ambiente,  hábitos, desejos,  gostos,  necessidades dos moradores da casa. Durante estas conversas, sairão as ideias iniciais para a definição de um projeto que será elaborado pelo profissional.

 

Somente a partir de um projeto, cujo prazo de entrega será determinado pelas partes, é que o cliente passa saber, de fato, o custo desse profissional. Alguns designers de interiores cobram pela realização dos projetos, que de maneira genérica, é preço fechado. Já o custo pela execução do projeto depende da aprovação do cliente.

 

Há quem não considere correta a cobrança pela elaboração de um projeto de decoração de interiores. Mas ela é justificável. Tudo será apresentado ao cliente por meio de plantas e desenhos com um nível de detalhamento que dependerá do que é necessário ser feito no decorrer do projeto. Há ainda tabelas orçamentárias, de logística e provisionarias, para que o cliente possa acompanhar com exatidão o que será feito. Há todo um trabalho realizado antes mesmo do projeto ser ou não aprovado. Um designer de interiores, atualmente, cobra em  média R$ 3.000,00 por projeto.

 

Somente a partir do fechamento do contrato, é que a execução do serviço terá início. Daí por diante, devem ser escolhidas as cores, as texturas, os revestimentos, pisos e outros tipos de acabamentos que serão utilizados, por ventura.

 

Também é nesse momento que parte do valor acordado entre as partes é dada como pagamento. A prática mais comum no mercado é dividir o valor em 3 ou 4 vezes, sendo que a primeira parcela ou entrada fica na casa dos 25 % a 30 % do valor total da obra. Pague apenas mediante início da obra. Exija nota fiscal.

 

Mas não é apenas isto. Também é importante que o designer de interiores tenha uma equipe que atue em conjunto com ele. A contratação de serviço especializado como marceneiro, marmoraria, gesseiro, pode também ficar a cargo do cliente ou do designer. Deve ser acordado em contrato.